Anima mundi 2008

Eu fui! E olhem só a prova do crime, hehehe!


Tá certo que a motivação para voltar ao evento depois de tanto tempo foi algo totalmente pessoal: um dos curtas que seria exibido na sessão Infantil 1 foi feito pelo pessoal do estúdio. Foi antes da minha existência lá, mas isso não evitou que eu tomasse as dores quando um mané, na saída, falou que "o desenho brasileiro foi o pior". Duvido muito que o cretino leia isso aqui, mas se você também achou isso, sinta-se amaldiçoado pelo resto da sua vida, fidumaégua!

Além do Maiô de Bolinhas (que é sensacional e pode ser assistindo aqui), esta sessão exibiu:

O amigo dos bichos e a raposa. Lento, bobo e feito em stop motion. O cara devia tá pagando promessa, não é possível.

O velho pajé. Duas técnicas diferentes contando uma lenda indígena feliz sobre a o céu como o conhecemos. Além da animação estar bem feitinha, também falou de um tema que gosto muito.

O conto da menina viva morta. Muito bom também e muito, mas muito mais dinâmico que o primeiro. Aliás, que criança em sã consciência brinca de enterro hein? O_o

Eu te amo Eu te odeio. Meio conceitual, simplão e só adulto acha graça.

Capitão Cumulus. Bonitinho, mas só faz sentido por causa de uma cena que aparece quando os créditos já estão rolando!

Pequenos Dinossauros. Sem pé nem cabeça, nem telespectador de Teletubbies ia gostar disso. Mas foi muito bom terem colocado um desenho tão ruim antes do Maiô de Bolinhas, hehehehe.

Cucurujas. Eu já gosto de corujas. Um desenho com um grupo de corujas atrapalhadas e inexpressivas é muito legal.

Bertram. Tanto estilo quanto história típicos de desenho que passa na Cultura. Típico até demais.

Além das exibições, o evento contava com alguns poucos stands felizes que estavam inteligentemente sob uma lona preta. Chamar aquilo de estufa era elogio!
Os mais chamativos eram o da Oi, onde as crianças podiam personalizar o logo da empresa bem a la toy art (e tinha um bagulho que falava pra você ativar o Bluetooth, mas não descobrimos porque); e o do Speed Racer, que tinha uma réplica do lendário Mach 5 e uns Wiis com jogos, obviamente, do Speed Racer.


Apesar de ter ido só pra prestigiar um curta, gostei muito da sessão no geral e perdi o trauma que eu tinha do anima mundi. Sabem como é, entrar em uma sessão que não vale nem um tostão furado, muito menos o valor do ingresso, assusta pessoas avarentas como eu. Só que também não gostei o suficiente para comprar ingresso para outra sessão não. Ow jeitinho cretino de exploração, viu?

3 comments:

Strider disse...

Não acredito que eu perdi esse evento! O pessoal aqui da empresa (Petrobras) não avisou nada! Caramba...

Eu acho que a parada do bluetooth era pra você receber de graça algum jogo ou wallpaper. Certa vez eu entrei no aeroporto do Recife, (descuidadamente) com o bluetooth ligado, e aceitei um .GIF que alguém mandou. Quando vi era propaganda (do tipo "anuncie aqui", com um site e um telefone). Propaganda por bluetooth. Simples e genial.

Miyu disse...

Pior que não tinha nada mesmo! O bluetooth do meu celular e de uns amigos meus estavam ligados e não aconteceu absolutamente nada. O luminoso do bluetooth do stand da Oi só serviu pra nos cegar mesmo. /o\

Daniel disse...

Anima mundi foi muito bom! Além de todas animações amadoras e profissionais, adoramos a feira interativa em que você pode fazer animações durante o evento. Colocamos um pouco da feira aqui: http://www.youtube.com/watch?v=4LBDzuL9ydI